O mundo das cinquentinhas importadas estaria ilegal?

Análise de conformidade em cinquentinhas encontra ciclomotores com cilindrada original acima da permitida pelo DENATRAN.

Uma análise inicial da Abraciclo mostra ciclomotores com cilindrada original acima da informada pelo importador e chegando a velocidades próximas a 90 km/h.

A Abraciclo – Associação Brasileira de Fabricantes de Ciclomotores, Bicicletas e Motocicletas está realizando uma análise de conformidade das motos de 50cc importadas e comercializadas no Nordeste Brasileiro.

Tivemos acesso a um documento e ele mostra, em análise preliminar, um dos ciclomotores analisados, com 73cc e consequentemente velocidade acima do permitido pela Legislação Brasileira.

A Abraciclo escolheu modelos de diferentes marcas para análise de “Cilindrada real do motor, Emissões de Poluentes e Velocidade Máxima”, também foram checados itens regulamentados pelo Contran 14/98.

A legislação Brasileira define Ciclomotor como qualquer veículo de 2 rodas com motor a combustão cuja cilindrada seja menor ou igual à 50 cm3 e cuja ‘Velocidade Máxima’ não ultrapasse os 50Km/h.

Além disso, os Ciclomotores devem atender à Resolução do Contran 14/98 (que regulamenta necessidade de Buzina, Farol, retrovisor, lanterna traseira e velocímetro) e Resolução do Conama 297/02 que impõe limites de emissão de poluentes. (Monóxido de Carbono máximo de 1.0 g/km e a soma de Hidrocarbonetos e Óxidos de Nitrogênio inferior a 1,2 g/km segundo ciclo de teste descrito na Diretiva 97-24).

Marcas nacionais estão em conformidade com a Lei

Os proprietários de ciclomotores fabricados pelas montadoras Dafra, Kasinski e Traxx podem ficar tranquilos pois estão dentro da conformidade estabelecida e atendem a Resolução do CONAMA e DENATRAN.

O fato de serem associados a ABRACICLO faz com que passem por periódicas inspeções e análises de conformidade para evitar problemas relacionados a ”Cilindrada real do motor, Emissões de Poluentes e Velocidade Máxima”. Porém, outras marcas e modelos de cinquentinhas, pelo que se pôde ver preliminarmente, podem vir a estar com algumas irregularidades.

Nos modelos analisados foram encontradas não conformidades com a Legislação Brasileira nos aspectos relacionados a Cilindrada Real acima do permitido (50cm3); Velocidade máxima acima da permitida (50Km/h) e Emissão de poluentes acima do regulamentado.

Vários modelos foram adquiridos pela Abraciclo, em lojas do Nordeste Brasileiro, e estão neste momento sendo analisados de forma criteriosa. O que podemos apurar foi que há sim modelos fora das especificações.

O documento não informa como tais modelos importados possam ter sido homologados no CAT antes da sua efetiva importação ou se o DENATRAN recebeu um modelo para homologação e outro de maior potência foi importado e comercializado, mas o que todo mundo sabe é que algumas cinquentinhas importadas competem com motos de 90 cilindradas.

Em um dos ciclomotores analisados, BRAVIA CITY XEON 48cc, foi constatado que ela não seria mais um ciclomotor, mas uma motocicleta por ter 73 cilindradas.

É fácil encontrar e assistir a vários vídeos no YouTube de cinquentinhas importadas, com motores que aparentemente na sua condição original, conseguem ‘encostar’ em motos de 90 cilindradas.

No vídeo mostrado abaixo é possível ver uma Shineray Phoenix encostar numa Pop100 Honda. Sim, também existem motos de 50cc que tiveram seus motores adulterados pelos próprios usuários para uma cilindrada maior e isso também é crime, mas estamos falando aqui de um crime ainda maior que é informar uma cilindrada e comercializar outra.

O problema é grave e a repercussão dessa análise ainda não dá para ser calculada.

Em conversa com vendedores de algumas marcas é fácil ouvir deles que algumas dessas motos possuem cilindrada superior a 50cc e que passam fácil dos 70 km/h. Mas o problema não para por aí.

O fato é que ciclomotores com 73cc precisam ser emplacados e seus condutores tem que possuir CNH – Carteira Nacional de Habilitação e não mais a Autorização para a Condução de Ciclomotores (exclusiva para pilotar motos de até 50cc).

Se flagradas nessas condições, essas motos serão apreendidas por estarem com potência divergente do valor originalmente informado; por ter condutor não habilitado; por estar fora das especificações do CONAMA e PROMOT; além de não possuírem emplacamento, gravame e registro no RENAVAM, licenciamento, DPVAT e IPVA.

O somatório das multas aplicadas vai superar o valor da moto, o que transformará o fato em um estrondoso prejuízo ao cliente ou ao importador que, além de ser multado, terá que recolher as motos e/ou ressarcir a todos os clientes que foram lesados.

Neste outro vídeo, postado no YouTube, você pode ver um possível teste de velocidade em um dos modelos importados de 50cc onde a imagens mostram uma Phoenix a quase 120 km/h após adulteração no motor. Confira:

É comum ver as cinquentinhas montadas no Brasil da marca Traxx, Dafra e Kasinski ficarem muito atrás das importadas em testes de velocidade. É comum e isso me espantava, quando eu via algumas dessas motos andando juntas com Pop100 e outras motos de 125cc. Eu sempre achei que tinha alguma coisa errada. Agora, depois dessa brilhante iniciativa da Abraciclo, agora eu tenho certeza que existe sim algo errado e, pior: muito grave!

Estamos ansiosos para ler a peça final dessa Análise de Conformidade realizada pela Abraciclo. Essa ação vai ajudar a moralizar cada vez mais o mercado de motos de 50cc no Brasil.