BIGtheme.net http://bigtheme.net/ecommerce/opencart OpenCart Templates
Home / Avaliações / Kasinski Comet GT 250R … avaliamos!

Kasinski Comet GT 250R … avaliamos!

A Kasinski Comet GT 250R tem tamanho e posicionamento de uma superbike e oferece ao seu proprietário muita esportividade por um valor relativamente baixo.

Após sua última reestilização, a GT 250R com seu farol alto e baixo “empilhados” parece uma moto de design italiano semelhante à Ducati 999 quando olhada de longe (principalmente a vermelha). Sua grande carenagem lhe confere um visual limpo e volume suficiente para confundir outros motociclistas quanto a sua cilindrada, diferente das superbikes japonesas que ano após ano vem diminuindo suas carenagens parecendo motos menores para os leigos.

Neste mesmo “pacote” além de novos grafismo e esquemas de cores que incluem versões bicolores (preta, vermelha, vermelha/preta e branca/preta), painel com iluminação de fundo azul, lanterna traseira de LEDs e principalmente a alimentação por injeção de combustível (desenvolvida pela própria Hyosung) deram um ar de modernização à motocicleta.

O painel com nova cor de fundo e grafismo é completo e de ótima visibilidade, o conta-giros analógico tem fundo branco e o display digital conta com dois hodômetros parciais e um total, relógio e marcador de combustível bem esportivo e combina com o conjunto.

Os comandos dos semi-guidões são completos com lampejador de farol alto, piscas desarmáveis com único toque, acionador do farol alto, corta corrente, ignição e pisca alerta. A única resalva é quanto ao ajuste da altura dos manetes de freio e embreagem que se forem posicionados um pouco para baixo (como foi necessário no meu caso) raspam no painel ao esterçar totalmente o guidão. Os retrovisores como em quase todas as motos esportivas tem as hastes curtas e os usuários mais largos visualizam os braços e não conseguem ajustar corretamente.

O acabamento da moto é bom, mas tem alguns detalhes a serem melhorados principalmente no encaixe do painel à carenagem e a capa dos bancos feita em couro liso e com acabamento ruim onde é possível notar algumas deformidades no banco do piloto e garupa a olho nu. São coisas pequenas que desabonam a enormidade de qualidades da motocicleta.

No uso urbano a moto encara corredores com facilidade (cuidado com os retrovisores), mas é cansativo devido ao posicionamento muito avançado do piloto, que conta com dois semi-guidões instalados nas bengalas dianteiras praticamente na altura do banco. Isso não é um defeito e sim característica de uma moto esportiva.

Com o anda e para da cidade o peso do corpo se desloca para frente forçando demais mãos e punhos causando desconforto com o tempo. A suspensão como era de se esperar em uma moto esportiva mostrou-se rígida nos pisos esburacados da cidade transmitindo ao piloto boa parte dos impactos. Em algumas ocasiões foi necessário ficar em pé nas pedaleiras para diminuir o desconforto.

Na Estrada

Para testar a GT 250R na estrada viajamos para Curitiba a 400 km de São Paulo, caminho de longas retas e diversas curvas em serra, subidas e decidas.

Agora sem o anda e para dos centros urbanos foi possível se posicionar na moto de maneira confortável distribuindo o peso do corpo entre as pedaleiras e as pernas pressionando o tanque de forma que os braços ficaram relaxados. O trajeto foi realizado em aproximadamente 5 horas sem cansaço ou fadiga. As pedaleiras com grandes borrachas e quatro ajustes de altura e distancia (item inexistente na maioria das motos de alta cilindrada) filtram bem a vibração do motor em V, já as mãos recebem as vibrações, mas não o suficiente para causar desconforto ou dormência.

O conjunto quadro, suspensão e pneus se mostraram superdimensionados para uma moto de 250cc. Sua suspensão dianteira invertida (upside-down) sem regulagens e a traseira mono-choque ajustável na compressão tem um ajuste rígido. Seu chassis com duas barras periféricas quadradas (o mesmo que equipa sua irmã naked) proporcionam um mínimo de torção mesmo em uso extremo. Desse modo era possível contornar as curvas como se estivessem sobre trilhos. Tudo isso com a ajuda dos bons pneus Pirelli Sport Demon nas medidas 110/70-17 na dianteira e 130/70-17 na traseira.

O freio dianteiro apresentou boa potência e progressividade, com dois discos de 300 mm e pinça de dois pistões. O traseiro com disco de 230 mm e pinça de pistão duplo mostrou um acionamento um pouco borrachudo, mas suficiente para frear os 173 kg (a seco) da GT 250R.

O motor em V de 249 cm³ desenvolve uma potência máxima de 32,1 cv a 10.000 RPM e torque 2,31 kgf.m a 8.000 RPM sobe de giro de forma linear, mas não chegou a empolgar, falta um pouco da sensação de ser empurrado para trás nas acelerações. Parte desta “culpa” recai sobre o cambio de cinco marchas com engates precisos. A 5ª marcha é muito longa para um conjunto tão esportivo. Nas subidas mais íngremes, mesmo em alta rotação, o motor perdia a força e era necessário reduzir para não perder velocidade. Mesmo assim é possível andar no limite máximo de velocidade de qualquer rodovia existente no Brasil.

O consumo de gasolina com uso em 80% na estrada e 20% na cidade foi de 21,5 km/l com autonomia teórica de 365 km com seu tanque de 17 litros.

Concluindo

Se o uso for 100% urbano, escolha a GT 250 (naked) que conta com guidão mais alto e confortável.

As estradas são seu destino? Pode comprar a GT 250R e divirta-se. A mudança rápida de direção e seu conjunto ciclístico que “sobra” frente ao motor facilita a vida dos iniciantes em motos esportivas.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

DIMENSÕES E PESO

  • Comprimento Total 2.095 mm
  • Largura Total 720 mm
  • Altura Total 1.135 mm
  • Distância entre eixos 1.430 mm
  • Distância livre do solo155 mm
  • Peso a seco173 kg

MOTOR

  • Tipo DOHC, 4 tempos, 2 cilindros em “V”
  • Refrigeração Arrefecimento a ar e óleo
  • Capacidade volumétrica 249 cm³
  • Diâmetro do cilindro 57 mm
  • Curso do cilindro 48,8 mm
  • Alimentação Injeção eletrônica
  • Potência Nominal 29,2 cv / 10.500 rpm
  • Potência Máxima 32,1 cv / 10.000 rpm
  • Torque Máximo 2,31 kgf.m a 8.000 rpm
  • Lubrificação Bomba de óleo

TRANSMISSÃO

  • Câmbio 5 velocidades
  • Transmissão final Corrente
  • Partida / Tipo de ignição Elétrica / ECU
  • Embreagem Multidiscos banhados em óleo
  • Acionamento da embreagem Manual
  • Bateria 12 V / 12 Ah

ESTRUTURA / CHASSI

  • Freio Dianteiro Hidráulico a disco (duplo)
  • Freio Traseiro Hidráulico a disco
  • Pneu Dianteiro110/70 – 17 54 H
  • Pneu Traseiro130/70 – 17 62 H
  • Suspensão Dianteira Telescópica invertida (U.D.F)
  • Suspensão Traseira Balança monochoque ajustável

CAPACIDADES

  • Capacidade do tanque de combustível 17 litros – gasolina
  • Óleo do motor sem troca de filtro (ml) 1.450
  • Óleo do motor com troca de filtro (ml) 1.500
  • Óleo do motor, primeiro enchimento (ml) 1.800
  • Óleo da suspensão dianteira (cm³) 400

OUTRAS INFORMAÇÕES

  • Cores 4 opções: Preta, Vermelha, Branca/Preta, Vermelha/Preta
  • Preço sugerido ao consumidor R$ 15.100,00 (cores sólidas) R$ 15.600,00 (dual tone)

Sobre Claudinei Cordiolli

Analista de Negócios formado pela Unibero, empresário no ramo de ERP´s para o setor Imobiliário. Participação em diversas provas de Enduro no final da década de 1990 e início dos anos 2000 mudou para a pilotagem esportiva onde continua pilotando (mas não competindo) até hoje. Apaixonado por Fotografia fez trabalhos para diversos sites e para o Jornal Diário de São Paulo. Hoje faz fotografia esportiva para a Taça São Paulo de Supermoto e trabalhos de freelancer. Atual colunista do site Motonauta para a seção de Avaliações e alguns editoriais sempre apresentando ao público sua opinião sem ter o "rabo preso" com nenhum fabricante ou marca.

Além disso, verifique

Kawasaki Versys 1000 é diversão garantida

Há uma coisa estranha acontecendo na categoria de moto aventura. Toda a categoria foi criada ...

16 comentários

  1. ola a partir de que ano a comet gtr é menos problemática ?
    aabrçs.

  2. João Carlos Manhabosco

    Fiz várias pesquisas, opinioões, custo/benefício e após essa matéria marivilhosa tomei a decisão, hoje 31/05/20012 adquiri a minha Kasinski GTR 250 dual-core vermelha e preta. Agradeço a vocês que me influenciaram em muito na minha decisão.
    Muito obrigado e sucesso para vocês.

  3. Olá, ótima máteria, pesquisei em vários sites, mas nenhuma destacava completamente as características da moto. Eu era um proprietário de uma Fazer 250YS (era, porque foi furtado nesta terça-feira), desde quinta estava procurando uma outra moto e não conhecia a GTR250, depois desta matéria, tomei a minha decisão. Amanhã estarei em uma concessionária.

  4. gilmar dias

    cara essa foto ficou show de bola ,ainda mais que essa moto e linda estou quase comprando a minha ai a gente se ver pela as estradas kkkk valeu abraço e seja feliz fuiiiii

  5. Essa moto é linda Logo logo vou ter a minha, e eu quero agora pra 2012 .
    Estou procurando a vermelha tenho até uma foto no meu celular dela.
    muito Linda a moto (Abraços) 😉

  6. nunca tive moto estou queremdo compra uma,gostei muito da gtr 250 ainda mais depois dos conmentarios,só estou na duvida da 650 ou da 250,O que mim sujere.

  7. * Equipe MOTONAUTA

    Ola caro

    O padrão de avaliação do Motonauta tende a transpirar a sensação de quem tem o produto, seu uso diario e comum …

    Posto isso, e como voce poderá observar, apenas utilizamos o produtos dentro dos limites impostos pela lei em todo o trajeto.

    Muito obrigado pela participação

  8. FILIZARDO_FILHO

    Estou enteressado nesta moto. más gostaria de saber quantos ela puchou no máximo ( quantos km/h deu no painel…?)

  9. gostaria de saber o que fazer,pois ela esta cortando corrente em movimento

  10. Gostei muito da matéria! Sem dúvida vou comprar uma GT250R! Estava na dúvida sobre sua qualidade entre a Ninja 250R, mas a diferença de preço me fez optar pela Kasinski!

  11. Wagner Moreira (Paraopeba/MG).

    Bom dia, estou pesquisando sobre esta moto a tempo, mas não havia encontrado uma materia completa como esta. A duvida que eu tinha acabou de ser sanada. Vou sim adquirir uma GT250R, Sou proprietario de uma Falcon e estou querendo mudar o estilo de moto.

    Obrigado, sua material ficou nota 100.

  12. Claudinei, para vc poder ter a “sensação de esportividade” que a moto aparenta é bem fácil… basta fazer as seguintes mudanças:
    1º – Escape Sarachú
    2º – Filtro de Ar Mold Espuma
    3º – Velas Iridium
    4º – ajustar a mistura Ar x Combustível

    Com isso o motor fica MUITO mais esperto e vc ganha MUITO em retomadas e nas respostas em giros médio e altos. Se quiser melhorar ainda mais, coloca pinhão com 1 dente a menos, mas perde um pouco de final…
    Abs!
    Shalom!

  13. Wagner Fornazieri

    Parabéns pelas fotos, ficaram ótimas , principalmente as dos comandos.

  14. Fabio Robert

    Muito boa a materia,sou proprietario de uma 2010/2010 e tive as mesmas impressoes da moto.Muito boa a materia.Fabio

  15. Esta moto é muito bonita. A vermelha mais ainda. Mas como sou tiozão, prefiro a Mirage 250 ou 650.

  16. Pô Claudinei assim eu num guento!!!!
    Palmas pra vocês!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *