BIGtheme.net http://bigtheme.net/ecommerce/opencart OpenCart Templates
Home / Avaliações / Kawasaki Ninja ZX10R … avaliamos!

Kawasaki Ninja ZX10R … avaliamos!

A ZX10R é a sintese do slogam “be radical” usado pela Kawasaki, uma superbike com muita tecnologia capaz de fazer seu proprietário andar rápido, muito rápido.

Avaliamos a ZX10R onde ela merece.

Para chegar a esta conclusão rodamos por estradas sinuosas, autoestradas, voamos no autódromo do ECPA (Esporte Clube Piracicabano) e porque não, rodamos na cidade.

Não importa qual o caminho que você seguirá. O visual agressivo com linhas retas e a combinação da cor verde e preta chamam a atenção por onde passa. Basta parar para abastecer ou estacionar em algum lugar que logo uma roda de pessoas curiosas se forma.

Linhas agressivas a diferenciam da concorrência.

Em uma superbike a primeira pergunta que ouvimos é “Quanto você já ‘deu’ nela?”. A resposta é simples: “a velocidade máxima é de aproximadamente 300 km/h, mas em primeira marcha ela atinge 166km/h e em segunda marcha chega a 217 km/h com a roda ainda no ar”. Infelizmente no Brasil não existe pista fechada capaz de extrair a velocidade máxima da ZX10R.

Destaque para o amortecedor de direção e os punhos onde podemos alterar ou desligar o controle de tração

A motocicleta tem muita tecnologia. Destaque para o controle de tração esportivo Kawasaki (ou S-KTRC Sport Traction Control Kawasaki) e um sistema inteligente de ABS.

O S-KTRC é exclusivo da Kawasaki. Ele é diferente do utilizado pelos outros fabricantes, o S-KTRC monitora continuamente a velocidade da ZX-10R na roda, posição do acelerador, rotação do motor e outros dados para sempre disponibilizar a quantidade de tração ideal.

Sem o S-KTRC seria difícil não escorregar nas saídas de curva

O sistema fornece uma resposta muito rápida, afinal o S-KTRC calcula as condições 200 vezes por segundo e disponibiliza para o piloto três modos diferentes.

O nível 1 permite uma pilotagem muito esportiva permitindo até mesmo um slide com o acelerador, intervindo apenas quando as coisas ficam assustadoramente sinistras.

Já o nível 3 diminui bastante a entrega de potência, a motocicleta que levantava a frente facilmente agora não assusta mais, ótimo para dias chuvosos e iniciantes em superbikes. Enquanto o nível 2 permite uma quantidade confortável de potência e controle moderado da tração. O interessante é que todo este controle pode ser desligado e caberá somente ao piloto domar a fera.

Gosta de potência? Ela gera até 209 cv com a indução de ar acima dos 200 km/h

O ABS não controla somente a pressão do sistema como o ABS convencional. Ele utiliza uma grande variedade de dados e permite um melhor desempenho de acordo com cada condição. Na prática o piloto sente um maior equilíbrio da motocicleta durante o acionamento dos freios mesmo com a moto inclinada.

O sistema é impressionantemente suave e consistente na operação e acrescentou um toque extra de conforto, segurança e confiança ao pilotar por algumas estradas com curvas traiçoeiras.

Foi por essas estradas onde ZX-10R brilhou. A suspensão Showa na dianteira tem um comportamento surpreendente mesmo em asfalto longe das condições ideais. A suspensão traseira é totalmente ajustável e está posicionada acima do braço oscilante muito mais fácil de acessar para o ajuste de pré carga, mas não há dúvida que a posição é bem fora do comum.

A ZX10R nunca perde tração, o pneu sempre está grudado no asfalto e o amortecedor de direção contribui para firmeza na condução.

No Autódromo do ECPA (um circuito travado de baixa velocidade), a primeira marcha é cortada a 166 km/h no velocímetro digital, foi uma alegria usá-lo quase que exclusivamente, sem que a máquina tenha um comportamento indisciplinado. A segunda marcha era utilizada somente a partir do meio da reta. Talvez a ZX-10R tenha um comportamento um pouco suave nas médias rotações, mas ajudou muito no controle durante a pilotagem.

O potente motor da ZX10R é um 16 válvulas, 4 cilindros em linha, DOHC (duplo comando de válvulas no cabeçote) com 998 cc.  Tem potência de 200,1 cavalos a 13.000 rpm e torque de 11,4 Kgf.m a 11.500 giros (chegando a 209 cavalos com a indução de ar acima de 200km/h).  A relação diâmetro x curso do pistão é de 76 x 55 mm. O curso menor que o diâmetro faz o giro subir mais rápido.

O novo chassi e garfos apresentados no ano de 2011 combinaram em uma ergonomia bastante razoável para meus 1,84m, ainda mais sendo uma moto esportiva. Rodei por estradas por 4 horas seguidas com somente uma parada para abastecimento e não foi nada cansativo. A posição das pedaleiras, banco e semiguidões fazem o peso do corpo serem distribuídos de forma a não sobrecarregar nenhum deles.

No geral temos muito pouco a reclamar da motocicleta. O painel digital com o conta-giros com luzes de LED requerem tempo para acostumar e ainda assim é difícil saber exatamente sua rotação ainda mais quando no autódromo onde não temos tempo a perder. A falta de um marcador de combustível também incomoda quando vamos para uma estrada desconhecida. No deslocamento urbano se fecharmos os retrovisores os semiguidões não tem espaço para virar.

Painel completo mas o conta-giros poderia ser de mais fácil visualização.

Como podem ver, quando não temos do que reclamar temos que nos atentar a pequenas coisas.

A ZX10R credencia novamente a Kawasaki como um dos grandes fabricantes de motos esportivas após um longo período em que ficou apagada.

Preços

Modelo Preço público sugerido (Frete não incluso) em R$
Ninja ZX-10R 2012 R$ 55.990,00
Ninja ZX-10R ABS 2012 R$ 59.990,00

História

Modelo 2004

Esta foi a estréia da Ninja ZX-10R. Compacta com uma distância entre eixos curta e uma relação potência-peso elevado, o que ajudou o manuseio. O sistema de escape foi feito totalmente em titânio com silenciador único.

Modelo 2006

Entre outras mudanças, o modelo 2006 teve seus escapamentos gêmeas colocados embaixo do banco, o que contribuiu para aumentar 5 kg no peso seco. O motor permaneceu praticamente inalterado.

Modelo 2008

A ZX-10R foi totalmente reformulada para o ano modelo 2008. Houve uma mudança drástica na aparência da moto com uma carenagem muito mais angular. A Kawasaki voltou a colocar um único escapamento na lateral.

Modelo 2010

Recebeu pequenas alterações quando comparado ao modelo 2008, incluindo: Amortecedor de direção Öhlins, alterações na transmissão e carenagem.

Modelo 2011

A ZX-10R 2011 sofreu grande reformulação, tanto mecanicamente quanto visualmente. Mais notavelmente, a Kawasaki apresentou a sua S-KTRC sistema (Sport Traction Control Kawasaki) como um recurso padrão, responsável pela previsão de quando a tração será perdida e adaptar-se em conformidade. Outra novidade são KIBS (Kawasaki Inteligent Break System) como seu sistema ABS opcional, um design completamente novo, uma suspensão traseira horizontal, rodas mais leves de três raios, suspensão dianteira Showa Big Piston Fork  (BPF), e um painel de LCD.

Ficha Técnica modelo 2012

 Motor 4 tempos, 4 cilindros em linha, refrigeração líquida
 Cilindrada 998 cc
 Diâmetro x curso 76,0 x 55,0 mm
 Taxa de compressão 13,0:1
 Sistema de válvulas DOHC, 16 válvulas
 Potência máxima 147,1 kW (200,1 CV) / 13.000 rpm
 Potência máxima com RAM Air 154,4 kW (209,9 CV) / 13.000 rpm
 Torque máximo 112 N•m (11,4 kgf•m) / 11.500 rpm
 Sistema de combustível Injeção eletrônica
 Sistema de ignição Bateria e bobina (ignição transistorizada)
 Sistema de partida Elétrica
 Sistema de lubrificação Lubrificação forçada (cárter úmido com óleo refrigerado)
 Transmissão 6 velocidades
 Sistema de acionamento Corrente de transmissão
 Relação de redução primária 1,681 (79/47)
 Relação da 1ª marcha 2,600 (39/15)
 Relação da 2ª marcha 2,053 (39/19)
 Relação da 3ª marcha 1,737 (33/19)
 Relação da 4ª marcha 1,571 (33/21)
 Relação da 5ª marcha 1,444 (26/18)
 Relação da 6ª marcha 1,348 (31/23)
 Relação de redução final 2,294 (39/17)
 Sistema de embreagem Multidisco, em banho de óleo
 Tipo de quadro Viga dupla em alumínio fundido
 Inclinação / Trail 25º / 107 mm
 Suspensão dianteira Garfo invertido de 43 mm com compressão,
 retorno e pré-carga da mola totalmente ajustáveis
 Suspensão traseira Back-link horizontal com amortecedor a gás, compressão,
 retorno e pré-carga da mola totalmente ajustáveis
 Curso da suspensão dianteira 120 mm
 Curso da suspensão traseira 140 mm
 Pneu dianteiro 120/70ZR17M/C (58W)
 Pneu traseiro 190/55ZR17M/C (75W)
 Freio dianteiro Disco duplo de 310 mm em formato margarida, pinça dupla de fixação radial com 4 pistões opostos de alumínio
 Freio traseiro Disco simples de 220 mm em formato margarida,
pinça com pistão simples de alumínio
 Ângulo de direção (esq. / dir.) 27º / 27º
 Dimensões C x L x A 2.075 mm x 715 mm x 1.115 mm
 Distância entre eixos 1.425 mm
 Distância do solo 135 mm
 Altura do assento 813 mm
 Capacidade do tanque 17 litros
 Peso em ordem de marcha 198 kg
 Cores: Lime Green, Metallic Spark Black

Sobre Claudinei Cordiolli

Analista de Negócios formado pela Unibero, empresário no ramo de ERP´s para o setor Imobiliário. Participação em diversas provas de Enduro no final da década de 1990 e início dos anos 2000 mudou para a pilotagem esportiva onde continua pilotando (mas não competindo) até hoje. Apaixonado por Fotografia fez trabalhos para diversos sites e para o Jornal Diário de São Paulo. Hoje faz fotografia esportiva para a Taça São Paulo de Supermoto e trabalhos de freelancer. Atual colunista do site Motonauta para a seção de Avaliações e alguns editoriais sempre apresentando ao público sua opinião sem ter o "rabo preso" com nenhum fabricante ou marca.

Além disso, verifique

Versys 1000

Kawasaki Versys 1000 é diversão garantida

Há uma coisa estranha acontecendo na categoria de moto aventura. Toda a categoria foi criada ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>