BIGtheme.net http://bigtheme.net/ecommerce/opencart OpenCart Templates
Home / Noticia / Mobilidade urbana sustentável: São Paulo é a pior entre nove capitais

Mobilidade urbana sustentável: São Paulo é a pior entre nove capitais

Estudo do portal Mobilize Brasil revela as melhores e piores capitais em indicadores que medem uso de transportes coletivos, acessibilidade, violência no trânsito, rede cicloviária e valor da tarifa de ônibus. São Paulo teve nota 2 e ficou com a lanterna

São Paulo, a maior cidade do Brasil obteve a pior posição entre nove capitais brasileiras no ranking de mobilidade urbana sustentável, segundo o Estudo Mobilize 2011, realizado pelo portal Mobilize Brasil (www.mobilize.org.br). O trabalho reúne e compara informações de órgãos governamentais, institutos de pesquisa, universidades e entidades independentes.

As melhores notas foram obtidas pelo Rio de Janeiro (7,9) e Curitiba (7,0), numa escala de zero a dez. Os piores indicadores vieram de Cuiabá e São Paulo, principalmente em função do uso excessivo de automóveis e motocicletas na locomoção urbana nessas capitais.

A ideia do estudo foi comparar o desempenho das capitais brasileiras e por isso a escala de pontuação tomou como parâmetro as próprias cidades e não referências internacionais de sustentabilidade em mobilidade urbana, explica o economista e jornalista Thiago Guimarães, que coordenou o estudo.

São Paulo na lanterna
Embora conte com abrangentes infraestruturas de transportes, como o sistema metro-ferroviário mais extenso do Brasil, São Paulo apresenta um fraco desempenho nos indicadores relativos à mobilidade sustentável comparáveis aos de outras capitais brasileiras. A nota 2 de São Paulo se explica pela forte presença do automóvel no transporte cotidiano (cerca de 30% das viagens) e pelo valor proporcionalmente alto da tarifa de ônibus na cidade quando comparado com a renda média da população.

Além disso, a maior cidade do país possui a menor extensão de vias adequadas ao trânsito de bicicletas em relação à extensão do sistema viário: são apenas 35,7 km de ciclovias para 17.000 km de ruas, ou cerca de 0,0021%. A capital paulista também registrou o segundo pior índice de mortes por acidentes de trânsito (12,1 mortes por 100 mil habitantes), ficando à frente apenas de Brasília.

Metodologia
O Estudo Mobilize 2011 procurou inicialmente avaliar treze capitais brasileiras, incluindo Goiânia, Fortaleza, Manaus e Recife, mas a carência de dados resultou na exclusão das cidades. Também previa avaliação de outros indicadores da mobilidade urbana sustentável, que não puderam ser levantados em todas as localidades, como a quantidade de CO2 emitido pela frota, viagens feitas por modos não motorizados, calçadas com acessibilidade.

A maior dificuldade para a realização do estudo foi localizar fontes confiáveis de informação, já que na maior parte das cidades os números estavam dispersos por vários gabinetes, em secretarias e departamentos, ou simplesmente não existiam.
Por exemplo, algumas grandes cidades brasileiras ainda desconhecem a extensão total de suas vias públicas, e raras delas sabem quantos quilômetros de calçadas são acessíveis a deficientes.

Ao final, foram considerados cinco indicadores:
– Extensão de vias adequadas ao trânsito de bicicletas em relação à extensão do sistema viário;
– Razão entre a renda média mensal e a tarifa simples de ônibus urbano;
– Razão entre o número de viagens por modos individuais motorizados de transporte e o número total de viagens;
– Porcentagem de ônibus municipais acessíveis a pessoas com deficiência física;
– Mortos em acidentes de trânsito (por 100.000 habitantes) por ano.

Mobilidade sustentável
Mobilidade urbana sustentável é integração inteligente de vários modos de transporte urbano, com a maior eficiência e conforto possível para os passageiros, com o menor impacto ambiental para os espaços urbanos, explica Ricky Ribeiro, diretor executivo do Mobilize Brasil, um jovem administrador público que hoje luta contra uma doença que lhe roubou os movimentos e até a voz.

“O planejamento de transportes e a política urbana devem permitir que os cidadãos consigam chegar ao local de trabalho, ao mercado, ao teatro etc., sem que necessariamente realizem um grande número de deslocamentos por meios motorizados”, afirma Thiago Guimarães. O Mobilize Brasil pretende repetir o estudo anualmente, de forma a acompanhar a evolução dos investimentos em transporte público nas cidades brasileiras nos próximos anos.

Sobre o Mobilize Brasil
O portal Mobilize Brasil é o primeiro site brasileiro dedicado ao tema da mobilidade urbana sustentável. Mobilidade urbana sustentável envolve a implantação de sistemas sobre trilhos, como metrôs, trens e bondes modernos (VLTs), ônibus “limpos”, com integração a ciclovias, esteiras rolantes, elevadores de grande capacidade. E soluções inovadoras, como os teleféricos de Medellin (Colômbia), ou sistemas de bicicletas públicas, como os implantados em Copenhague, Paris, Barcelona, Bogotá, Boston e várias outras cidades mundiais.

Para saber mais, acesse www.mobilize.org.br

?

fonte: Mandarim Comunicação

Sobre * Equipe MOTONAUTA

Além disso, verifique

14900347_910113489124132_252720699733563665_n

Campeonato Brasileiro de Supermoto manterá a configuração original para a última etapa da temporada.

Santos, 17 de novembro de 2016   Após analisar os regulamentos da CBM e FIM, ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>